terça-feira, 27 de maio de 2008

a água lhe bebe a sombra

"Em cada hora de sua vida a floresta deve ajudar a noite a enegrecer o mundo. Todo dia a árvore produz e abandona uma sombra do mesmo modo que todo ano ela produz e abandona uma folhagem. "Eu imaginava que cada sombra, à medida que o sol descia mais baixo, sempre mais baixo, separava-se pesarosamente do tronco que lhe dera nascimento e era absorvida pelo regato, enquanto outras sombras nasciam a cada instante das árvores, tomando lugar de suas primogênitas defuntas". ... Dar assim uma sombra cotidiana que é parte de si mesma não é coabitar com a Morte?"

Gaston Bachelard, A água e os Sonhos, Ensaio sobre a imaginação da matéria.

No caso, a imaginação da água na poética de Edgard Allan Poe, em Ilha das fadas.
Alguém sabe onde encontro este conto de Poe?

A ilustração é minha mesmo, uma montagem de desenhos.

4 comentários:

M.J. disse...

Esse desenho é mesmo maravilhoso!!!

GUGA ALAYON disse...

assombroso

disse...

esse desenho anda crescendo ao longo do tempo e das "elocubrações"...
obrgada, maina.

disse...

é assombroso mesmo pensar em sombras, guga