quarta-feira, 5 de dezembro de 2007

água


Acabo de passar no supermercado só para comprar água, mineral, gasosa natural, fonte São Lourenço, claro! O problema agora é que vou ter que esperar umas três horas para poder abrir... senão explode! Estão quentes e chacoalharam.

Mas, o que eu queria cometar é que hoje era a reabertura do supermercado do bairro depois que o Mambo virou St Marche. Não conhecia esta marca ainda, como seria? Fui lá, então.
Foi muito esquisito, tudo o que era vermelho virou verde. Só isso! Tudo bem, tiraram algumas prateleiras da boca dos caixas, mudaram alguns produtos de lugar, poucos. Estavam instalando as letras verdes nos painéis luminosos, com os mesmos dizeres dos vermelhos arrancados. Nem penduraram os logotipos ainda, eles só apareciam nos uniformes das novas pessoas que foram trabalhar lá. As pessoas, mudaram todas e elas estavam lá, trabalhando, sem nenhuma novidade nos rostos, estavam lá trabalhando no caixa, assim como os repositores de gôndola, os aplicadores de texto e todo o batalhão de gente que põe um supermercado funcionando. Senti falta do dono, de alguém que estivesse entusiasmado com aquela nova existência! Não vi ninguém, era tudo mecânico, função, gente contratada.

Agora, voltando às cores. Não sei porque se insiste em utilizar as mesmas cores do logotipo no espaço. Sim, claro que existe uma relação entre eles, o logo estará por toda parte, mas não precisamos entrar no logotipo, como se ele fosse uma caixa.
As cores precisam harmonizar todo o conjunto, as milhares de informações dos produtos, as plaquinhas de oferta, o plano elevado de visão (aquele que fica acima das prateleiras, que olhamos quando vamos procurar uma seção de produtos, ou quando estamos parados na fila do caixa, esperando) e o logotipo. Entra também a iluminação, as áreas de destaques, a ambientação para as áreas de produtos diferenciados... não precisa ser tudo branco/vermelho ou branco/verde!

10 comentários:

Marcio Gaspar disse...

as perguntas são: será que continua tendo os melhores preços do bairro? será que continua vendendo cerveja gelada? e será que mantiveram os caixas eletrônicos?

disse...

olha, márcio, espero que sim para as 3 perguntas, mas vou ter que voltar lá para averiguar... entrei só para comprar água e são lourenço só tinham 4 garrafas, sendo que duas estavam pela metade, semi consumidas!

M.J. disse...

ah, muda de supermercado!

peri s.c. disse...


Um truque para evitar geisers em garrafas gasosas : vá virando m-u-i-t-o v-a-g-a-r-o-s-a-m-e-n-te a tampa, de 0,5 em 0,5 milímetro, com todos os sentidos alerta.Num determinado momento você sentirá o sibilante assovio do gás começando a escapar. PARE de girar a tampa, e deixe o gás esvair-se pelos céus. Voilà !

Supermercadistas são uns caras meio-estranhos, tem um mau-gosto impressionante. É um parto convencer os caras de novas idéias.

disse...

é, mj, só falta os caras conseguirem perder a freguesia!

disse...

nossa, peri, já tentei... o que acontece é que eu sempre acho que o gás já acabou antes de ter terminado e... explode em cima de tudo!

esta história de supermercados vai longe! existem alguns que onde é impossíveis completar a lista sem enlouquecer com a "lógica" da organização dos caras!
carefour por exemplo

peri s.c disse...

Essa lógica é cuidadosamente estudada para obrigar você a percorrer toda a loja e assim comprar por impulso muito mais do que queria.
Trabalho bastante nessa área e é profundamente educativo quando do lado do cliente existe algum diretor de loja muito bom. Exposição de produtos e departamentalização de setores são ciências perigosas onde o cliente ( nós ) é a vítima.

anna disse...

de mambo prá st qq coisa.

mania de achar que a gente ainda acredita nesse tipo de truque que sugere sofisticação.

a mim sugere novos preços.

franka disse...

lá vai a bê analisando supermercados.
ô mulher que adora uma análise supermercadorial.
dimais.

Passarinho disse...

Você comentou a impessoalidade do super, tudo automático, funcionários sem envolvimento, nada de gerente.
Foi por isso que Bumpy Johnson morreu, abrindo espaço para o crescimento de seu pupilo, Frank Lucas.
Teve um infarto dentro de um supermercado, inconformado por não encontrar ninguém que ele pudesse... Estorquir.
Ah... É do filme American Gangster, chega ao Brasil o ano que vem... (li o livro)